Luís Pires

Luís Pires

Nasceu tarde demais para o tape-trading e começou a ouvir metal antes da explosão da partilha online. Nesse período transitório, e depois de uns anos a ouvir grunge e nu-metal, entregaram-lhe um CD-R onde, para além de uma enorme quantidade de thrash do qual não se lembra, se encontravam o «Epicus Doomicus Metallicus» e o «La Masquerade Infernale», dois discos que ajudam a explicar muito do que escreve hoje em dia. Físico teórico de formação, considera que bandas como Alkerdeel, Bone Awl, Circle Of Ouroborus, Paysage d'Hiver, The Ruins Of Beverast, ou Uškumgallu fazem do black metal um dos mais interessantes meios de inovação na música extrema actual. Já a popularidade de bandas como Deafheaven e Watain tem exactamente a mesma explicação.