FICHA TÉCNICA

José Miguel Rodrigues

Director

A venerar o poder do riff há mais de três décadas, começou a dar os primeiros passos no underground através do tape-trading e das fanzines, e durante anos aperfeiçoou a entretanto desaparecida arte do corta e cola. No final dos 90s começa a colaborar com o jornal BLITZ e, uns anos depois, marca presença na génese das revistas RIFF e LOUD!, onde se mantém até hoje como director. Acumula discos na esperança de, um dia, aparecer no programa «Hoarding: Buried Alive».

José Carlos Santos

Chefe de Redacção

Comprou o «Kings Of Metal» dos Manowar com onze anos e a vida mudou. Fez parte da redacção da Terrorizer onze anos e mudou-se para a Zero Tolerance em 2017. Entrou para a LOUD! em 2005, onde desempenha as funções de chefe de redacção. Diz que “gosto é dos Revenge”, mas depois derrete-se todo com uma melodiazinha açucarada daquelas que ficam no ouvido. Às vezes passa discos em sítios, e pede sinceras desculpas por todas as salas que já esvaziou.

STAFF

L!

Fotógrafa

fotoloud

Jornalista

Fervoroso fã de King Diamond (daí ter uma filha Melissa e uma gata Miriam), anda nestas lides desde 1990, tendo começado com a fanzine Juízo Final um percurso marcado pelo programa de rádio Caminhos Metálicos, por colaborações com revistas como a Riff, a Ritual” ou a Dynamite, e por pertencer à equipa fundadora da LOUD!. Costuma dizer que já fez de tudo na música excepto estar em cima de um palco a tocar com uma banda e mantém-se orgulhosamente imune à maioria das tendências musicais. Em 2017 recuperou o Caminhos Metálicos, agora na sua versão 2.0.

Estefânia Silva

Fotógrafa / Marketing / Web Design

Straight edge não militante. Achou que percebia o suficiente de música para mandar uns bitaites aqui e ali. Deixou-se disso e tornou-se fotógrafa. Começou a ouvir música extrema aos catorze anos através dos HIM, dez anos depois partia o nariz num concerto dos Black Panda. Considera que black metal é Hellhammer e que o punk tem de ser confrontacional. Defenderá o «Battalions Of Fear» até à morte. SPEED ON!

Emanuel Ferreira

Fotógrafo / Jornalista

Nascido após Lemmy Kilmister, viciou-se em rádio com o saudoso Lança-Chamas a tocar o «Ace Of Spades», o que inspirou a arriscar o seu próprio programa, “Filhos do Metal” em 1986. Depois de aprender a juntar letras, criou a fanzine Napalm, ainda nos anos 80. Atravessou a década de 90 como co-piloto do programa S.O.S. e foi colaborador da Mondo Bizarre. Desde 1998 que é o irresponsável por duas horas de ruído na Rádio Universitária do Minho, com o programa Blast!. Antigo colaborador da RIFF e integrando a equipa fundadora da LOUD!, colaborou com a Metal Imperium e mantém o seu blog (des)actualizado na Fenther.net. Numa realidade paralela desejava ensinar física ou química.

34455654_2158176884415681_3649746586893811712_n

Designer

O JP cresceu em Alvalade e fez-se homem na linha de Sintra. António Sérgio, Luís Filipe Barros e Zica foram mestres. Aos quinze anos era o manager dos Disaffected e fazia concertos em salas insuspeitas na esperança de não ruirem. Antes ainda, as primeiras zines, incontáveis, o Entulho Informativo – Underworld. impresso em offset a partir de 1994, promovido a fodine no início dos 2000s, vindo a ter CD e mantendo-se grátis. Criou outras publicações de índole contra-cultural. Terrorismo informativo em várias frentes. Foi distribuidor de aspirinas aos convivas que se desgraçavam ao primeiro dia de WOA. Produz edições (vinil, fita, digital) para outros e para a sua Half Beast. Recupera e restaura livros ancestrais. É metálico e marginal da sociedade. Acredita já não ter a cabeça a prémio.

Jorge Botas

Fotógrafo / Jornalista

Trabalha na LOUD! desde o seu início. Passa a vida agastado com outras pessoas e prefere a companhia de animais de estimação, de preferência felinos. Cresceu a ouvir Queen e passou para o lado pesado da música graças a Def Leppard, Ozzy Osbourne, Black Sabbath, Judas Priest, W.A.S.P. e Iron Maiden. Adora todo o glam rock/metal dos anos 80. Há oito anos que tem o seu próprio programa de música – o Metal Global – em exclusivo na RTP Play. É também grande fã de wrestling e faz comentários da WWE na Sport TV. Adora fotografar gajos e gajas de cabelo comprido, de preferência em cima de um palco.

lp

Jornalista

Nasceu tarde demais para o tape-trading e começou a ouvir metal antes da explosão da partilha online. Nesse período transitório, e depois de uns anos a ouvir grunge e nu-metal, entregaram-lhe um CD-R onde, para além de uma enorme quantidade de thrash do qual não se lembra, se encontravam o «Epicus Doomicus Metallicus» e o «La Masquerade Infernale», dois discos que ajudam a explicar muito do que escreve hoje em dia. Físico teórico de formação, considera que bandas como Alkerdeel, Bone Awl, Circle Of Ouroborus, Paysage d’Hiver, The Ruins Of Beverast, ou Uškumgallu fazem do black metal um dos mais interessantes meios de inovação na música extrema actual. Já a popularidade de bandas como Deafheaven e Watain tem exactamente a mesma explicação.

FB_IMG_1527817232094

Jornalista

Abraçou o underground no final dos anos 80, arruinando com o Punk qualquer hipótese de ter uma vida normal. No início dos anos 90 começa a saga das bandas, tendo passado por dezenas delas como Albert Fish, M.A.D., Crise Total, Clockwork Boys ou Facção Opposta. Ainda em meados dos 90s, influenciado pelo do-it-yourself criou a fanzine Fightback. Continua a colaborar noutras publicações e passa pela equipa do Underworld – Entulho Informativo. Por entre os treinos do Krav Maga teve ainda tempo para ser um dos co-autores do livro Portugal Eléctrico (Groovie Records, 2013). Como o dia tem 25 horas resta ainda tempo para gerir duas editoras, a Zerowork Records e a Combate Brutal.

untitled (1 of 1)

Fotógrafa / Jornalista

Desde o primeiro piscar de olhos que se lembra de ouvir, e cantarolar, a «Dirty Deeds Done Dirt Cheap» com o pai. Cresceu a ouvir bandas que variavam entre AC/DC, Motörhead e Judas Priest, passando por uma obsessão saudável por Mike Oldfield – o «Screaming For Vengeance» e o «Platinium» são concorrentes a álbuns mais ouvidos até hoje. Aos treze anos pegou na guitarra, mas anos mais tarde concluiu que não era para ela. Soprou o pó à câmara dos pais e desde aí não mais parou, juntando a caneta à bagagem pelo caminho.

NS_LOUD!

Jornalista

Descobriu-se rocker quando ouviu a «Jump» pela primeira vez, mas foi ao comprar o «Powerslave» (pela capa!) de uns tais Iron Maiden que a vida mudou. Fez a fanzine Warning!, o programa de rádio Pesos Pesados e até cantou nos Faunnus (por vezes quase em simultâneo, nos early 90s), até que, em Abril de 2000, aportou nas duas ocupações que se mantêm até hoje: a nossa/vossa LOUD!, tendo sido chefe de redacção, e a TSF onde é animador (isso, o antigo locutor). Ocasional DJ, adora gatinhos, corre pela natureza uns 2500 kms por ano e ouve tudo o que não o aborreça, desde Journey a Wormrot.

33990112_10156413049859176_4632188053404778496_n

Fotógrafo

Pedro
Silva

L!

Ilustrador

L!

Jornalista

Pedro Roque

Fotógrafo

O “fotógrafo punk” foi uma adição mais do que óbvia à família da LOUD!. Multifacetado como poucos, já tirava fotos enquanto fazia crowdsurf e mandava gritos nos M.O.T.Ü. quando o conhecemos. Desde então, não só brinda regularmente as nossas páginas com o seu estilo fotográfico único, como também já assinou alguns artigos e ainda passa discos connosco em vários eventos. Continua ainda um gritador de excepção tendo passado pelos Besta, e actualmente… diz que faz qualquer coisa numa banda qualquer por aí, mas ninguém confirma nem desmente.

L!

Jornalista

IMG_1595

Jornalista

A LOUD! teve a sorte de conseguir “contratar” o Amorim em 2011, alguns anos depois do fim do saudoso Underworld – Entulho Informativo, do qual foi editor por largo período. Não só um estudioso dos grandes nomes da era dourada do rock – como atestam os vários LOUD! Classics que já assinou – como também do underground nacional, tendo sido dos principais impulsionadores do nosso livro «Quadro de Honra», e é ainda o nosso especialista residente em assuntos Melvinianos. Em 2017, foi convidado pelos Moonspell para ser o autor da biografia oficial da banda, «Lobos Que Foram Homens», que foi editada no ano seguinte com grande sucesso.

ONLINE

jk

Rei do D-beat

Auto-proclamado rei do D-beat.