Terça-feira, Maio 17, 2022

AQUELA VERSÃO

AQUELA VERSÃO #35: CHEAP TRICK e «Surrender» vs. O RESTO DO MUNDO

A história vai até um Verão quente no princípio do século. A regressar de um festival, jornalistas daqueles bastante credibilizados fazem um olhar de desdém face a um nome: CHEAP TRICK. A malha entra, já reciclada em versão para a banda-sonora de uma filme. No final da viagem, já todos estavam rendidos ao tema. É essa a magia das boas malhas, penetram até na armadura mais sólida do erudito musical. Formados em 1973, os norte-americanos CHEAP TRICK apenas lançaram o seu primeiro álbum lançado quatro anos depois. O seu som, um cruzamento de hard rock com THE BEATLES, chegava no...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #34: LED ZEPPELIN vs. WILLIE DIXON

Jimmy Page, pode estar no topo dos virtuosos, mas nunca conseguiu o título de 'riff master' de um Tony Iommi. Se calhar, a forma como ambos cresceram musicalmente pode explicar muito disso. Enquanto Iommi era o trabalhador que, ao fim de semana, tocava em bandas de bares, Page foi, desde bem cedo, algo entre o ghost musician e o guitar session guy. São, de resto, inúmeras as gravações em que ele, tal como John Paul Jones, operaram como músicos de sessão. Mesmo a entrada de Page para os THE YARDBIRDS foi um pouco como músico de substituição, de um grupo...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #33: AEROSMITH vs. THE BEATLES

THE BEATLES são uma referência na história do rock e da pop. Muitos também consideram que nos seus últimos discos reside a chave para aquilo que mais tarde seria o hard rock mas, divagações filosóficas à parte, o quarteto sempre foi um nome apreciado pelo rock mais musculado e mesmo pelo hard rock tradicional. «Come Together» é, sem dúvida, um dos temas que mais incorpora elementos passíveis de serem extrapolados no ambiente do hard rock, ao mesmo tempo que a letra possui dualidade suficiente para agradar aos letristas na área. Integrando o álbum «Abbey Road», de 1969, o tema é...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #32: IRON MAIDEN vs «The Number Of The Beast»

22 de Março. O ano é 1982. É editado o terceiro longa-duração dos IRON MAIDEN, o primeiro a contar com Bruce Dickinson. Novo vocalista, um crescimento demasiado rápido. Tudo se conjugava para algo correr mal e a banda perder terreno, como aconteceu com outras e até a eles próprios uns anos mais tarde. Raramente um novo vocalista conseguia vingar num grupo já estabelecido. Aliás, a regra ainda hoje se mantém – e, de repente, apenas David Coverdale, Ronnie James Dio e Dickinson poderão ocorrer como casos de sucesso. Contudo, a banda de Steve Harris não ficou só pela superação da...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #31: RAMMSTEIN vs. DEPECHE MODE

Estava-se em meados de 1998 e os RAMMSTEIN chegavam àquele momento em que se pode definir uma carreira e é necessário fazer a ponte para outro público. «Sehnsucht» ainda ecoava, mas o nicho era muito pequeno para a dimensão pretendida pelo grupo. Em Portugal, tinham esgotado o Hard Club e o Paradise Garage, com espectáculos até então pouco vistos por cá. «Mutter» ainda estava longe, e seria o disco que viria a esgotar o Coliseu dos Recreios. Entre ambos, houve um álbum ao vivo e um single resultante da participação na colectânea «For The Masses», tributo colectivo aos DEPECHE MODE....

Ler mais
ENTOMBED: Formação original presta homenagem a LG Petrov

Dificilmente se poderia definir como um rockstar; era mais um bonacheirão que partilharia uma cerveja no final de um gig com um fã do que um ídolo que encheria um estádio. Apesar disso, são formiguinhas como ele que definem estilos e estabelecem pontes geracionais. Sueco, de origem macedónia, entrou em 1988 nos NIHILIST, banda ruidosa que, para a história, deixou meia dúzia de temas de um death metal seminal. Foi nesse grupo que conheceu personagens como Nicke Andersson, Ulf Cederlund ou Alex Hellid, com quem mais tarde formaria os ENTOMBED. É uma perspectiva, mas olhando para o calendário, Petrov teria...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #29: RAMONES vs. O RESTO DO MUNDO

O vídeo foi repescado há pouco tempo. É o fóssil que resta de um bom humor que sempre percorreu a banda punk. No âmbito do álbum «Saturday Morning: Cartoons’ Greatest Hits», em que o título é bem explicativo, a banda junta-se a outros nomes para reinterpretar temas de clássicos da TV norte-americana dos anos 60 e 70, em que o Sábado de manhã era inundado com desenhos animados. A escolha, sendo o grupo de Nova Iorque, cai sobre o Homem-Aranha. Abordam o tema de forma deliciosa e com o toque naïf e descontraído com que sempre se caracterizaram. Melhor mesmo,...

Ler mais
AQUELA VERSÃO #28: MARK LANEGAN + KURT COBAIN vs. LEADBELLY

Celebrar o grunge ainda é algo desconfortável no meio do metal. Os anticorpos são muitos. Demasiados. Hoje, o estilo é apenas mais uma reacção, um abano no sistema, tal como foi o punk para os anos 70. Sem o grunge, talvez hoje não existisse uma CHELSEA WOLFE, ou um KING DUDE. Ou talvez o post metal nunca tivesse surgido. Através da sua brilhante carreira, o bom do MARK LANEGAN, falecido por estes dias, faz a ponte perfeita dos dois estilos. A par dos SOUNDGARDEN, os SCREAMING TREES ajudaram a abrir espaço para o grunge, numa Seattle que tinha em HEART...

Ler mais
BLACK SABBATH:  Homenagem em Birmingham

BLACK SABBATH é um universo mais complexo que aquele abordado muitas vezes. Preguiçosamente, referem-se Ozzy e os primeiros discos do grupo. Fala-se no álbum homónimo como o início do heavy metal e em toda uma série de títulos tão merecidos como ligeiros na atribuição. Prova disso é o ciclo de Dio, e a sua importância para o power metal norte-americano, ou a renovação despercebida com Tony Martin, criando uma mão cheia de excelentes títulos de hard rock. 2022 promete ser o ano em que Martin será reconhecido, com rumores da reedição cuidada dos álbuns em que participa. No entanto, BLACK...

Ler mais
RETROVISOR: Slayer, «Hell Awaits» (Studio 54, Nova Iorque, 3 de Abril de 1985)

Uma letra que começa com algo como “Trapped in purgatory/A lifeless object, alive/Awaiting reprisal” tem dose que chegue de ambiguidade. Ou, para muitos grupos de death metal, talvez não. Porém, nomes como TORI AMOS ou MIKE PATTON conseguiram encontrar beleza e melancolia em versos como “Pierced from below, souls of my treacherous past/Betrayed by many”. Estava-se a 14 de Setembro de 2001 e Amos lançava «Strange Little Girls». Olhando para trás, e vendo que três dias antes tinha sido o 11 de Setembro, esta versão podia bem ser a banda-sonora para esses dias. Em 2018, Mike Patton & Uri Caine...

Ler mais
Pág. 1 de 4 1 2 4

Bem vindo de volta!

Entra na tua conta

Criar Nova Conta

Preenche os formulários para registar

*Ao se registrar em nosso site, você concorda com os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Recupera a tua password

Por favor introduz o teu utilizador ou endereço de e-mail para reiniciar a password