Terça-feira, Novembro 29, 2022
EM FOCO –» “O panorama açoriano está a fervilhar e não está a regredir”, AZORES & METAL [entrevista + streaming]

É um museu virtual, mas tem sido bem palpável o seu trabalho. O Museu Heavy Metal Açoriano surgiu durante a pandemia, existindo apenas no Facebook e no Bandcamp. Em primeira instância surgiu uma colectânea inédita de seis cassetes que reuniram diversas maquetas de várias bandas açorianas. Ao mesmo tempo, surgia um programa de heavy metal na rádio local. Depois surgiu a primeira colectânea, em 2021, já em CD, abrangendo dezassete bandas. Algo que Mário Lino, responsável por todo o processo e promotor do museu, classifica como “uma aventura e uma excelente experiência”. De acordo com Lino, “há muitos anos que...

Ler mais
EM FOCO: ANZV, «Gallas» [Exorcize Music]

Há cerca de um ano fomos apresentados a um vídeo, a um novo canal de YouTube e a quatro letras – ANZV. Algures num deserto ou algo similar, uma enigmática figura feminina posa para a lente, quase ocultada por uma veste negra. A música sobe de volume e intensidade; quase no final, ecoa uma voz gutural. Aquela que foi a primeira apresentação deste projecto ao mundo durava apenas 83 segundos. Uns meses depois surgiu o anúncio, por parte da Exorcize Music, que nos notificava em simultâneo da sua ressurreição e fazia uma referência a «Gallas». É assim que se intitula...

Ler mais
EM FOCO: HEAVY OCEAN, «H/O» [Ed. de Autor]

Basta escutar a «Intro» na abertura de «H/O» e o radar fica sintonizado para post-rock. Entra-se dentro de «Tainted» e nos seus quase dez minutos de música e sente-se a dinâmica, fortemente influenciada pelos Isis, mas também por nomes como Cult Of Luna. Está lá a gradação sonora, as diferentes densidades, ligadas por um pormenor, como os pratos, a meio do tema, que levam para uma maior distorção e densidade, numa dinâmica em que até o bombo, e o seu pedal-duplo, parece ter mudado a afinação. Depois, uma guitarra muda de novo o jogo e volta-se a um som mais...

Ler mais
EM FOCO –» PORTAL DO INFERNO, «Um Caminho Sem Retorno» [Selvajaria Records]

A formação é de 2016. 7 Peles e Lady Noir, ambos nas guitarras e vozes. «Ribeiro Escuro» emerge em 2018, em formato EP, com direito a reedição no ano seguinte. Uma característica define o projecto, é formado por pai e filha. Depois desse registo de estreia, “avançar para o álbum foi algo que surgiu naturalmente”, refere o mentor do projecto. “A Lady gostou muito das reações e interacções que obtivemos com esse trabalho, no imediato gravamos aquilo que viria a ser a primeira música, «Anjo Mórbido», no entanto, derivado a vários fatores, fomos forçados a fazer uma pausa”. Durante essa...

Ler mais
EM FOCO –» ICOSANDRIA, «Icosandria» [Ed. de Autor]

Tudo se inicia em Dezembro de 2021, com a semente de grupo nascida da vontade por arte de Tiago Pereira de criar um projecto a solo. Nas palavras do próprio, o nome ICOSANDRIA “deriva de uma classe de plantas que apresentam flores hermafroditas e o conceito sonoro, em si, prende-se precisamente com essa ideia de criar algo a partir da constante sinergia e transição entre atmosfera e melodia com um lado mais pesado e intenso”. Em jeito de resumo, “tal como as flores apresentam esse lado "feminino" e "masculino" em simultâneo, também nós procuramos essa dicotomia na nossa sonoridade”. Dicotomia...

Ler mais
EM FOCO –» MOONSHADE, «As We Set The Skies Ablaze» [Ed. de Autor]

Inscrevem-se num conjunto de grupos de death metal, quase sempre melódico, que surgiram no virar da década na região portuense. Diferentes entre si, mas com pontos em comum, que passam mesmo pela partilha de alguns elementos. Uns singraram mais depressa que outros, alguns ficaram pelo primeiro disco, outros vão já no segundo. Os MOONSHADE integram assim um lote onde podemos encontrar também os STOZ', NIHILITY, IN VEIN, APOTHEUS ou LYFORDEATH. Tal como no trabalho de estreia, data de 2018, também neste novo disco se percebem as influências dos AMORPHIS (aqui mais destacadas que antes), e dos AMON AMARTH, se bem...

Ler mais
EM FOCO –» VËLLA, «Entity Vol. I» [Art Gates Records]

Apareceram como um quinteto distópico estreando-se com «Coma», um registo em que se fundiam géneros e erguiam um saudável melting pot sonoro. Na formação, músicos que passaram anteriormente por grupos como os LEGACY OF CYNTHIA, THANATOSCHIZO, SINMATTIC ou os britânicos JESUS BURGUERS. Logo na altura, o guitarrista Oz Vilesov explicava que “os VËLLA surgiram como uma forma natural dos cinco músicos que compõem o grupo libertarem a sua criatividade sem grandes amarras”. Além de Oz, no projecto embarcaram também Pedro Lopes, na voz, Mário Lopez, na guitarra, César Craveiro, no baixo e voz, e Paulo Adelino, na bateria. Todos músicos...

Ler mais
EM FOCO –» DAPUNKSPORTIF, «Old, New, Fast & Slow» [Rastilho Records]

Bastam uns segundos de escuta a «Raw & Vulnerable» para perceber duas coisas. Primeiro, os DAPUNKSPORTIF não vêm para inventar a roda. Segundo, «Old, New, Fast & Slow» vem carregado de "malhas" -- e das boas. Este já é, de resto, o quinto álbum do grupo de Peniche, que nunca escondeu a paixão pelo rock, seja ele na versão mais stoner ou até com veia mais punk. Tudo gira à volta do duo de João Guincho e Paulo Franco. “Somos os mesmos de sempre”, explicam. “A matriz não se alterou muito, eventualmente pensamos ter evoluído na escrita de canções, mas...

Ler mais
EM FOCO –» MÁNI, «Sabbats» [Ed. de Autor]

“A ideia de MÁNI já existe há algum tempo dado o meu fascínio por mitologia nórdica e crenças espirituais em que o xamanismo faz parte”, conta Filipa Pinto à LOUD!. “Todo este misto fez com que surgisse inspiração para compor dentro desta vertente. O Paulo Bucho, sendo um músico de mente aberta e que gosta de desafiar as suas capacidades, alinhou comigo neste projecto neo folk”. Ambos já se conheciam de outras andanças pois também fazem parte de MAGNÓLIA, projecto de doom, fado e folk, cantado em Português, com o seu primeiro álbum lançado em Novembro de 2019, intitulado «Cinthya»....

Ler mais
EM FOCO –» GRINDEAD, «Culture Decline/Machines Arise» [Larvae Records]

Estávamos em 2018 quando os rumores começaram a surgir e, no underground portuense, alguém conhecia sempre um dos membros. Aos mais próximos chegava um sorriso e um lacônico “está a andar”. Luís Gonçalves, na voz, conhecido pela sua passagem pelos GENOCIDE e por, após o final do grupo, integrar o projecto LOST GORBACHEVS. David Teves Reis, no baixo, com passagem pelos HOSPITAL PSIQUIÁTRICO e BAL ONIRIQUE. Já o baterista Miguel “M&Ms” Brandão, no passado estivera nos WEB, AGNOSIA e ASSASSINNER. Mário Ribeiro, guitarrista, foi o elemento menos activo depois do final dos GENOCIDE, mas acabou por tornar-se o dínamo para...

Ler mais
Pág. 1 de 2 1 2

Bem vindo de volta!

Entra na tua conta

Criar Nova Conta

Preenche os formulários para registar

*Ao se registrar em nosso site, você concorda com os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Recupera a tua password

Por favor introduz o teu utilizador ou endereço de e-mail para reiniciar a password